Recuperar-se adequadamente de uma lesão nunca é fácil para qualquer desportista. É preciso ter cuidados necessários para evitar futuras lesões, e para os amadores o cuidado necessita ser ainda maior.

No ténis, não recuperar-se adequadamente de uma lesão pode gerar consequências graves. Existem vários exemplos de jogadores que pararam de jogar por causa das lesões e isso vai além do ténis. No futebol, não faltam casos de ex-jogadores que se retiraram cedo por esse motivo. Um deles é o caso de Ramon Colillas, hoje profissional no mundo do póquer. Quando era miúdo, o espanhol teve que abandonar o sonho de converter-se num jogador profissional devido a um problema no joelho.

Para Colillas, a decisão forçada fez com que dedicasse mais tempo ao póquer, um desporto no qual se tem vindo a consolidar como um dos mais promissores. Recentemente, ganhou mesmo um dos torneios do PokerStars que está entre os mais atrativos do mundo, o PSPC (nas Bahamas). Porém, após a lesão, nem todos têm o mesmo destino positivo de Colillas.


Procure sempre auxílio médico e não tente jogar lesionado

Para não ver o seu sonho de tornar-se um profissional interrompido devido a uma lesão, como foi o caso de Colillas no futebol, um dos principais cuidados a ter no momento da recuperação é recorrer ao apoio de um médico.

Muitas vezes o desportista amador opta por não visitar um médico especializado em questões musculares e isso pode agravar a lesão. “A lesão muscular é comum no esporte, com a sua frequência a variar entre 10 a 55% de todas as contusões”, afirma o médico brasileiro Adriano Leonardi.

O especialista também diz que é fundamental identificar a gravidade da lesão antes de começar a tratá-la. Alguns problemas musculares resolvem-se apenas com o repouso rápido, enquanto outras vezes é necessário recorrer ao acompanhamento de um profissional durante a recuperação. O especialista afirma que continuar a jogar com um estiramento muscular pode agravar a lesão consideravelmente.

Há muitos casos de jogadores que tentaram continuar a jogar com a lesão, mas isto só agravou os problemas. Foi o caso do sérvio Novak Djokovic. Em 2017, ele optou por não fazer a cirurgia no cotovelo e centrar-se apenas na fisioterapia. O atual número 1 do mundo jogou muitas partidas lesionado, mas isso só aumentou a lesão e posteriormente acabou por ser submetido a uma cirurgia.


foto por Tatiana / CC-BY-SA-2.0


A raquete errada pode ser um problema

A lesão no punho é um problema para muitos jogadores. Um exemplo claro é o do argentino Juan Martin Del Potro, que já se submeteu a várias cirurgias no local. É preciso levar essa parte do corpo a sério no ténis e a raquete errada pode gerar problemas.

Quando um competidor joga com a raquete inapropriada para o seu estilo de jogo ou idade, a raquete pode causar lesões no punho.

“Um exemplo de combinação ruim para tenistas acima dos 45 anos é a raquete a partir de 300 gramas com flexibilidade alta. É preciso ajustar a raquete com o avanço da idade”, afirma o especialista em ténis André Lima.

Caso o tenista use uma raquete errada por muito tempo, os problemas no punho provavelmente não vão desaparecer e isso pode tornar-se uma preocupação frequente na vida do jogador. Portanto, o ideal é consultar algum coach especializado que possa indicar a raquete certa para o desportista.


É fundamental utilizar o ténis adequado

Escolher os ténis certos para a atividade física é fundamental em qualquer desporto e no ténis não é diferente. O uso errado desse acessório essencial resulta em vários problemas de saúde e atrapalha o desempenho nos courts.

As lesões no tornozelo são frequentes no ténis e não faz o menor sentido tentar recuperar-se de uma lesão assim ao utilizar as sapatilhas erradas. É fundamental que o jogador utilize os sapatos corretos na recuperação ou na prevenção de problemas físicos.


Concentre-se nos exercícios de fortalecimento

Uma dica recomendada por muitos fisioterapeutas é fortalecer os músculos durante a recuperação da lesão. É o que diz Nill Cavalcante, especialista em ténis com experiência no assunto.

Cavalcante aponta que Roger Federer, ex-número um do mundo, geralmente recupera-se das suas lesões com fortes treinos de fortalecimento. Ele deu o exemplo de quando o suíço regressou às courts após uma lesão no joelho em 2017.



foto por Tatiana / CC-BY-SA-2.0


“Após regressar antes do tempo previsto, Federer, aconselhado pelos seus médicos, decidiu encerrar a época na metade do ano passado para se dedicar à recuperação plena do seu joelho.

Nesse período, focou intensamente nos treinos, alguns deles inclusive foram transmitidos em suas redes sociais. Se por um lado aumentou a carga de treinos, por outro reduziu sua participação nos torneios e escolheu seu calendário com foco nas courts rápidas e não quis saber da terra batida”, diz Cavalcante.

Claro que Federer é um profissional que conta com vários especialistas ao seu dispor, algo difícil de replicar para um amador. Mas a sua recuperação de uma lesão no joelho com foco no fortalecimento mostra que não é recomendado voltar às courts sem a devida preparação, com intensos treinos físicos.



Sobre o autor: O André é o fundador da AirCourts, o software líder em Portugal para gestão de clubes de Padel, Ténis e Futebol. Mais informações sobre o software AirCourts aqui.